Epioneers é o Crypto Climate Bank que surge para revolucionar o mercado de crédito de carbono


Quando começou a conceber a Epioneers, em 2020, Ilana Milkes ( MBA em Energias Renováveis com o foco em finanças) havia passado por empresas de M&A, de inovação nas áreas da derivativos, educação e de cleantech. Depois de 8 anos nestes segmentos, ela percebeu a oportunidade de criar uma solução que unisse a tecnologia do blockchain com o mercado de créditos ambientais e trazer mais rastreabilidade e confiabilidade para uma necessidade premente em termos globais - a comercialização com confiabilidade dos créditos de carbono.


Com mais de 20 mil criptomoedas consolidando seu espaço no mundo financeiro e a conscientização global de que as mudanças climáticas são uma realidade aumenta a cada dia na mente dos governantes e investidores e o conceito de créditos de carbono se tornando mais tangível Ilana, fundou a Epioneers, um Crypto Climate Bank sediado no Brasil e com filiais na Colombia e, em breve, Estados Unidos e Reino Unido. O nome de seus tokens? Selva.


"Esse mercado vai expandir como nunca e , em menos de um ano, este crescimento será exponencial. O Brasil poderia estar exportando bilhoes de dolares por ano em creditos de carbono porque tem uma das maiores areas verdes do mundo, e muito potencial para produzir créditos ambientais mas não tem ainda a infraestrutura para isso. Ao mesmo tempo, o cenário vem mudando. Cada vez mais bancos tradicionais abrem suas divisões para gerenciar Criptos ( ou Web3) e o Brasil é um dos países mais avançados na regulação do uso das criptos nesta região" comenta Ilana.


De outro lado, aliar o conceito de créditos de carbono ( que surgiu na ECO 92, portanto há mais de 30 anos) ao avanço da tecnologia fez com que Ilana visse ser agora possível transformar estes créditos em tokens que têm um valor de mercado. Se considerarmos que o mercado global de créditos de carbono é hoje de cerca de U$ 1 trilhão ao ano e que só a América Latina conta com 40% da diversidade biológica do planeta, 30% das reservas de agua potavel e cerca de 50% das florestas tropicais dá para entender o tamanho do mercado que a Epioneers quer abocanhar.


A revolução verde avança com a solução da Epioneers


Vencedora do Latam Edge Award 22, na área Fintech, a Epioneers, começa a trabalhar oferecendo um Climate Corporate Card da bandeira VISA para empresas e funcionários que querem chegar ao NetZero mais rapido e ganha entre 1 e 3% nas transações e de 3 a 10% do valor dos assets transacionados dos parceiros locais. Além disso, firmou parceria com a Dock, lider em soluções para o mercado de pagamentos na América Latina que tem entre seus clientes o Nubank, para lançar o primeiro Crypto Climate Bank do mundo que permitirá a a donos de terras improdutivas que eles as transformem em créditos de carbono ou ambientais, através dos tokens Selva e digital assets que serão comercializados no mercado global.


A iniciativa é super inovadora em todo o mundo e a empresa está criando diferentes tipos de assets da natureza que possam ser digitalizados, rastreados e comercializados.

Para corroborar esta tendência, vemos movimentos como o do BID Lab - laboratório de inovação do Grupo Banco Interamericano de Desenvolvimento, que acaba de abrir uma chamada para empresas que tragam soluções de Tokens para a biodiversidade. O objetivo é que eles sejam usados para interromper e reverter a perda de biodiversidade na América Latina até o final do ano.


Próximos Passos


A empresa recebeu investimentos da Algorand, empresa de blockchain fundada por um dos mais premiados matemáticos do MIT, Slvio Micali ( ganhou o Turing Award) . O Algorand foi concebido para ser o Carbon Negative Blockchain dada sua enorme eficiencia energética. Outro investidor foi o Stacks que já trabalha para cidades como Miami, Sao Francisco e Nova Iorque por exemplo para que tenham suas carteiras digitais. Ilana informa que Miami já conta com mais de U$ 60 millões em city coins. "O que propusemos ao prefeito de Miami foi lançar uma Carteira de Climate City Wallets usando nosso token a ser distribuído por cidades norte-americanas que assim podem comprar créditos de carbono do Brasil".


Imagens de satélite de livre acesso, que conseguem identificar a biomassa, também ajudam a complementar o controle e o calculo das áreas usadas. "A Epioneers usa as imagens para calcular a potencial da biomassa da área e aí os créditos de carbono que podem ser gerados dando credibiildade e controle ao processo" comenta Ilana. Para isso, a empresa conta com o Dr. Sébastien M. Raoux - responsável por desenvolver as Regras para o inventário do Gas de Efeito Estufa para a ONU e ganhou o premio Nobel juntamente com Al Gore -para adequar as novas tecnologias ao mercado de carbono bem como definir novos padrões que façam com que a tecnologia inove os atuais.


A estratégia da empresa para os proximos anos é a de conectar o maior número de fornecedores de créditos de carbono (empresas privadas, donos de áreas com potencial de captura de carbono, organizações que têm créditos de carbono, créditos ambientais como as solares por exemplo ) aos compradores.


Na Inglaterra, a Epioneers avança com a abertura da empresa em Cambridge e pretende aproveitar o prêmio do Latam Edge Award para se engajar no mercado britânico de uma forma mais intensa. O Reino Unido, segundo ela, trabalha para ser em breve o Cripto Hub mundial e no ano passado lançou o seu proprio mercado de carbono.


Números :


25,000 hectares podem absorver 10 milhões de toneladas de CO2. Cada tonelada vale por volta de U$ 10 /U$ 80. Ou seja, estamos falando de U$ 100 M a U$ 800 M para os 25,000 hectares ao ano.

No Reino Unido, foi recentemente lançada Bolsa de Créditos de Carbono, pagando £ 60/ tonelada.

A defasagem entre os preços das toneladas de carbono é um fator importante a se notar segundo a fundadora da Epioneers: É comum ver um proprietário de terra no Brasil oferecer as toneladas ao preço de U$ 7 enquanto o mercado europeu está pagando U$ 60 / ton" finaliza Ilana.



Para entrar em contato com a empresa é só mandar um email para im@epionner.io . A partir daí, a empresa fará o primeira assessment para apresentar a viabilidade do negócio. Depois disso, é firmado um Contrato e são criados os tokens para a comercialização no mercado global. Algumas empresas já contam com o estudo de viabilidade , entao elas já oferecem os seus créditos para a tokenização e a Epioneers comercializa no mercado.



0 views0 comments